sexta-feira, 16 de junho de 2017

Crítica do Filme Mulher-Maravilha



Primeiro filme-solo de uma heroína, após o fracasso de Elektra, Mulher-Maravilha sai das histórias em quadrinhos e vai direto para as telinhas. Com uma grande disputa entre os universos Marvel e DC, sempre vemos concorrências nos cinemas, só que dessa vez a DC ganhou a corrida e lançou o primeiro filme com uma protagonista feminina, deixando pra atrás o suposto filme-solo da Viúva Negra (Marvel).


O filme tem uma grande preocupação em explicar com muitos detalhes a historia da heroína. Nas primeiras cenas na ilha de Temyscira, nos deparamos com a pequena Diana, Princesa das Amazonas, sendo impedida pela sua mãe Hipólita (Connie Nielsen) de pratica técnicas de combate. Mesmo sendo impedida pela rainha, Diana começa a participar de pequenos treinos secretos com a sua tia Antíope (Robin Wright).


Após alguns anos, Diana (Gal Gadot) é obrigada salvar Steve Trevor (Chris Pine) que é piloto e espião americano, ele acaba caindo junto com seu avião na costa da ilha. Após retirar ele da água e lutar em um conflito com homens, Diana descobre que o espião está em um grande conflito que pode trazer danos para todo o mundo, e Diana resolve passar por cima das ordens de sua mãe e embarca para o campo de batalha junto com Steve.


O filme possui cenas humoradas,mas para o alívio dos fãs da DC, não chega nem perto do humor da Marvel. Acredita-se que a diretora Patty Jenkins tenha lido as críticas negativas de Batman Vs Superman e de Esquadrão Suicida, já que o filme apostou em um humor natural e não pecou novamente nas cenas dos confrontos. Todas as cenas de confrontos foram gravadas durante o dia, para evitar uma bagunça visual com os efeitos especiais e a iluminação dos cenários.


A escolha dos atores foi um dos pontos mais criticados durante as gravações. O ator repleto de altos e baixos, Chris Pine que interpreta Steve, foi alvo de boas críticas já que desenvolveu o papel com qualidade, porém não podemos comparar com o papel de Gal Gadot. Ela que foi alvo de muitas críticas durante a prévia do filme hoje recebe apenas elogios. O papel interpretado por ela, provavelmente já deixou a marca em sua carreira e carimbou a seu nome como atriz de Mulher-Maravilha.


Muitos fãs e críticos de cinema apontam o filme como uma crítica social, que apoia o feminismo e a luta das mulheres pela igualdade e que não usa a mulher como símbolo sexual, já outros acreditam que o filme é apenas o que faltava no mercado.

A personagem volta ainda em 2017 em Liga da Justiça. 


5/5